08 janeiro 2007

O estado do ensino superior em Portugal

Comentei o post "aumento de volume" dizendo que há uma mudança de paradigma de emprego em Portugal. O que parece é que as pessoas ainda não se aperceberam da necessidade de formar profissionais de qualidade a todos os níveis. Quer nos cursos técnicos equivalentes ao ensino secundário quer a nível do ensino superior.

Um professor da Universidade do Minho, Manuel Caldeira Cabral, divulgou recentemente a sua análise do ensino superior português. Em nada a qualidade parece ser um factor fundamental.

Tem que se incentivar um ensino de qualidade a todos os níveis. É preciso, certificar que, alunos que terminam o 9º ano são alunos com as competências que um ano destes implica. E o mesmo para todos os outros níveis.

Por exemplo, neste momento um aluno que abandone a escola no 9º ano de escolaridade, mesmo que tenha trabalhado seriamente durante esses 9 anos e tenha obtido bons resultados, é exactamente igual a um "aluno" (aspas colocadas de propósito) que tenha passado os seus 9 anos de escolaridade a olhar para o tecto ou com comportamentos pouco próprios para uma sociedade, quanto mais para uma escola.

Pessoalmente defendo que este país tem que começar a perceber que o mérito é, e sempre será, a melhor forma de fazer selecção artificial... Cada vez que damos possibilidades de carreira a pessoas sem qualidade em detrimentos de pessoas com mérito estamos a contribuir para que as gerações seguintes de seres humanos sejam cada vez piores... Lembrem-se que quem tem emprego, estabilidade, salário, bla bla bla, é que reproduz e por isso é quem forma novos seres. Pensem bem que humanindade é que nós queremos.

2 comentários:

Francisco Rodrigues disse...

Por acaso eu já tinha visto uma reação sobre esse estudo.
A mim parece-me que se fez muita asneira no ensino superior público, e reforma após reforma, tal como no secundário, penso que as coisas ainda não estão estáveis e essas mudanças de que falas ainda vão levar alguns anos a dar os seus frutos.
Tento ser optimista, mas não é fácil.

koolricky disse...

Os problemas na estabilidade da casa resolvem-se nos alicerces. Como é que esta educação pode estar bem quando no 6º ano os alunos não sabem dividir?