15 março 2007

Dinamização cultural


[...] a questão relativa à Guimarães Capital Europeia da Cultura vai mais longe que equipamentos e eventos e exige, agora, novos horizontes, se não se quer ficar pelo simples marketing político. Ora, a oportunidade deveria ser aproveitada para colmatar aquela que é a principal lacuna cultural de Guimarães a produção cultural. Se atribuir uma responsabilidade destas a um município faz qualquer sentido, o que se espera é que esse local seja capaz de aproveitar a oportunidade para reflectir, aprofundar e inventar a sua identidade cultural, antes de mais através de produção cultural própria. Seria decepcionante que esta oportunidade fosse desperdiçada com meras encomendas, transformando o evento num palco abstracto e asséptico de produtos culturais, ainda que da melhor qualidade.
in Jornal de Notícias


Eis o que me parece ser uma observação pertinente. O concelho de Guimarães é bastante populoso, tal como a área metropolitana em que está inserido, logo esta é uma oportunidade para optimizar ao máximo a dinamização cultural, no que será uma descentralização na produção e oferta destes eventos. Seria muito positivo que isto se desenvlovesse com a maior antecedência, relativamente à Capital Europeia da Cultura a realizar em 2012 naquela cidade.

4 comentários:

spicka disse...

É importante referir também que o artigo não está assinado (na versão digital), e não sei se aquilo é uma notícia ou se é mais um artigo de opinião...

spicka disse...

Humm... já sei.

É um artigo de opinião disfarçado de notícia, do Francisco Teixeira.

Francisco Rodrigues disse...

Na notícia, na página digital do JN, aparece o nome Alfredo Cunha, logo abaixo do título.

http://jn.sapo.pt/2007/03/15/norte/o_caminho_para_a_capital_europeia_cu.html

spicka disse...

Pois aparece. Em cima da fotografia. Alfredo Cunha é o autor da foto.

Já me confirmaram que o autor do artigo de opinião é o Francisco Teixeira, Ex Vereador da Cultura da CM Guimarães.