03 julho 2007

Retaliação?

As autoridades angolanas estão a considerar estender à TAP Air Portugal, Air France e à Sabena a medida de retaliação aplicada no último sábado a British Airways, soube a Voz da América de fonte oficial. Na última sexta-feira, Angola retirou à British Airways a licença de exploração da linha Luanda-Londres, o que provocou o cancelamento em cima da hora do voo semanal da companhia britânica, deixando em terra entre outros, o cantor britânico Craig David, que era aguardado em Luanda no sábado de manhã, para uma série de espectáculos.
Fonte oficial angolana disse à Voz da América que a revogação da licença atribuída à BA decorre do facto das autoridades britânicas terem-se precipitado na aplicação de uma recomendação dos técnicos da União Europeia relativa à interdição de entrada no espaço aéreo europeu de aviões da TAAG.
Com efeito, a Grã-Bretanha anulou a autorização que permitiria a TAAG iniciar os voos para Londres no próximo dia 12 de Julho. Luanda entende que Londres poderia no mínimo ter esperado pela entrada em vigor da recomendação. Fontes oficiais angolanas citaram o INAVIC, Instituto Nacional de Aviação Civil, como tendo notificado verbalmente a TAP, a Sabena e a Air France sob a possibilidade de verem anuladas as licenças então atribuídas.
Luanda refere a sua decisão como sendo o exercício do direito de reciprocidade e não de um acto de retaliação. Uma decisão neste sentido ou seja a anulação das licenças atribuídas a companhias europeias está a depender daquilo que a União Europeia vier a decidir amanhã. Na eventualidade de Bruxelas sancionar a recomendação dos peritos, Angola deverá aplicar a partir de sexta-feira uma medida idêntica que vai atingir sobremaneira a TAP, que efectua 7 voos por semana para Luanda.[...]

in Jornal de Angola

Os atentados falhados no Reino Unido, bem como o acidente aéreo recente em Angola podem estar a precipitar este jogo de teimosias. Talvez fosse um problema perfeitamente evitável se cada parte cumprisse o seu papel, a bem da economia e segurança de todos.

3 comentários:

Spicka disse...

Retaliação? Sim! Eu discordo totalmente e, com isto, Angola só perde! Lembrei-me agora do caricato episódio da carta de condução (ou a falta dela...) de Mantorras (?)...

Francisco Rodrigues disse...

Como se pode ver aqui, isto vai dar confusão.

NA disse...

Espero que uma situacao de seguranca na aviação nao se resolva com braços de ferro mas sim com seguranca efectiva. Se a companhia aerea em causa não oferece condicoes de seguranca deve ser proibida de voar, seja de que pais for. Angola tem uma economia a crescer a 25% ao ano, isso significa que será um pais com bastante poder num futuro proximo, se ja começa com este tipo de "bate pe" infantil, nao vai longe em termos de diplomacia...

O facto da companhia angolana cobrar mto menos pelo mesmo servico da tap, ja dava para desconfiar que algo de errado estava a acontecer. Lembrem-se que nao se trata de uma companhia de low cost...