25 setembro 2008

Chora Tâmega!

A apresentação está excelente e é da autoria de Dario Silva. Ver aquelas imagens e os respectivos textos, mesmo para quem não percorreu aquela linha de comboio, é sentir um murro no estômago. Perdem as populações, perde o turismo, perde o ambiente, etc. Ali mostra-se um Portugal belíssimo, mas actualmente calcado, esquecido, envenenado de alcatrão.

4 comentários:

Catarina disse...

Como é que é possível que aquelas estações de comboio estejam naquele estado???
Pelo menos a do Arco de Baúlhe está restaurada e transformada num museu.

Enfim... Construam as barragens... Acabem de vez com este património...

koolricky disse...

Estas fotografias trazem-me muitas memórias. Muitas vezes estive eu na estação de Mondim (que é no Minho, do lado de cá do rio), a comer o meu farnel e a ver combóios fantasma, nas horas de sol em pino.
Quanto à restauração Catarina, tens toda a razão, deviam ser aproveitadas estes edifícios. Mas também deviam ser aproveitadas as linhas. Não é por acaso que o concelho de Celorico de Basto seja um dos mais pobres da Europa...

koolricky disse...

bem, a minha gramática no post anterior ficou na mochila!

Francisco Rodrigues disse...

Insisto que o ideal, e a bem do desenvolvimento daquelas populações de toda a Região de Basto, seria mesmo a reactivação da linha.