26 dezembro 2008

Di profundis morte lenta

Qualquer energúmeno vê que a oferta comercial em Braga está já além dos limites para a população que serve. Numa região com uma alta taxa de desemprego, sem uma política de incentivo ao turismo de compras, dar licenças para construir projectos megalómanos na periferia da cidade só pode dar no que a Antena Minho noticia - os responsáveis pelas mesmas superfícies, deparados com inúmeras lojas vazias, estão agora a fazer acções de charme a lojas do centro histórico para que se mudem para os shoppings.
É escandaloso que isto passe impune patrocinado por uma câmara municipal falida, vendida aos interesses imobiliários e interessada em prologar buracos à custa do erário público. O centro histórico é o coração da cidade e tem que ser muito bem tratado. Já chega de centros históricos fantasma como é o Porto! Chega de burros à frente dos destinos desta cidade!

3 comentários:

Claudette Guevara disse...

Eu, sendo de Barcelos e frequentando Braga quase diariamente no seu centro histórico, fico feliz pela evolução a nível de transeuntes que esta sofreu nos últimos dois anos.
Assim continue e aumente.

koolricky disse...

Contente? Ontem estive no centro da cidade às 4 horas da tarde e quase que se contavam pelos dedos das mãos as pessoas que se passeavam no centro. Pelo contrário, no BragaParque, onde estive 5 minutos que chegaram para me pôr mal disposto, estava como um ovo. É o resultado de uma política onde o dinheiro fala mais alto.

Claudette Guevara disse...

Eu nem faço comparação com o BragaParque, porque então aí espumava de nervos. É simplesmente triste.

Mas sim, fico contente porque quando vim para Braga pelas mãos do meu "sócio", desiludi-me com a vida no centro. E constato as diferenças nestes últimos anos. Bastantes até.

[poderei estar enganada em relação há uma década atrás, ou mais. Mas aí, não tenho memória...]

Agora se me disserem que o povo português tem medo do inverno e não sabe viver com ele, aí já apoio a 100% a opinião.