07 novembro 2007

Transportes a sério


via metro mondego

Braga nas últimas décadas tem inchado o peito, proclamando ser a terceira cidade do país. Mais do que afirmar, é preciso demonstrar. Em Coimbra, o Metro Mondego vai ganhando forma, num traçado pensado para grande parte do distrito. Além do Metro, os troleicarros ainda circulam, com todas as suas vantagens, há 60 anos. Os cidadãos ganham e o ambiente também. Por cá, aproveitam-se ideias conforme o voto e inventam-se estudos para assentar a poeira e moldar a opinião pública. Os transportes, tal como a mobilidade bracarense, estão muito mal e a tendência é para piorar. E o Minho já não é o que era.

11 comentários:

César Gomes disse...

Eu já tinha falado no metro Mondego (Coimbra) num comentário no Avenida Central (creio). A verdade é que Braga é terceira cidade só a nível populacional, porque de resto está fraquinha. É o negócio do betão habitacional.

César Gomes disse...

Só com sangue novo na Câmara é que Braga vai lá. Não estou a defender outra força partidária. Mas a actual equipa camarária está ultrapassada, e isso bloqueia a cidade.
Tudo tem o seu tempo!

koolricky disse...

César, o teu segundo comentário tirou-me as palavras da boca. Braga só andará para a frente quando a direcção da cidade andar para a frente. Neste momento, a cidade está presa às teias que ligam a Câmara e os Construtores Civis.

NA disse...

César, Braga nao é a terceira cidade do país a nivel populacional. Só seria se vissemos o grande Porto e a grande Lisboa como sendo uma única cidade. O que seria um desrespeito pelo trabalho do Filipe Menezes em Gaia, já que conseguiu torna-la a segunda maior cidade do pais em termos populacionais (com cerca de 300 000 habitantes).

Francisco Rodrigues disse...

E não nos podemos esquecer da Amadora.

koolricky disse...

Caros Nuno e Francisco:
Obviamente que ha cidades limitrofes dos grandes aglomerados urbanos que sao maiores do que Braga. No entanto, a minha definicao de cidade "verdadeira" e esta:
quando um Ingles pergunta a um gajo de Matosinhos ou de Gaia donde ele e, ele dira que e do Porto.
quando a mesma coisa acontece a um BRacarense ele diz que e de Braga.
As cidades limitrofes sao grandes pela presenca da cidade aglomeradora. Alem do mais, essas cidades tem todas metro!

NA disse...

Atencao, a muito que Gaia deixou de ser um dormitorio do Porto. Neste momento Gaia tem muitos mais habitantes que o Porto.

Amadora nao tem mais habitantes que a cidade de Lisboa...

Mas mais do que isso, Gaia tem atraido para la grandes polos de decisao, e esteve quase a conseguir que o estadio do Dragao fosse para la, valeu-lhe um centro de treinos...

Consegui tambem para eles o Corte Ingles...

Quanto aos ingleses e muito facil perceber porque e que um gajo de Gaia tem que dizer que e do Porto, porque apesar das caves do vinho do Porto serem de Gaia o vinho diz-se do Porto.

Eu para explicar que sou de Braga tambem costumo dizer que é uma cidade a 60 km norte do Porto...

Anónimo disse...

Gaia sera talvez a unica excepcao.

Francisco Rodrigues disse...

Nuno, são 50 Km.

koolricky disse...

Não interessa os quilómetros, o que interessa é que um habitante de Gaia ainda grita que "o Porto é uma nação". Gaia até pode ter mais habitantes que o Porto mas não tem a importância que o Porto tem.
De qualquer maneira estamos aqui a discutir ninharias. O que interessa é que Coimbra vai ter metro e nós vamos ter uma extensão do túnel da Avenida...

Anónimo disse...

Isto descamba sempre para as ninharias. As cidades hoje são encaradas numa lógica metropolitana. Para quem não saiba até a famosa Liverpool faz parte da Grande Manchester! Logo não há gaias nem amadoras ( a amadora não tem corte inglés mas tem muitos departamentos da administração central). Há grande lisboa e grande porto. E mesmo assim braga não é a terceira cidade. Está a desenhar-se no terreno a grande coimbra. A cidade em si não é mais pequena que braga bem pelo contrário; tem a sua autonomia relativamente ao porto e lisboa assegurada. A sua centralidade relativamente às beiras é indiscutivel. Tem universidade completa sem polo em guimarães e taipas. Tem instituto politécnico. Tem sete hospitais públicos e duas maternidades. Tem os orgãos da administração regional do centro (braga não tem nada). Tem pequenas vilas nos seus arredores que sendo cada vez mais seus dormitórios interagem com coimbra numa lógica de área metropolitana mais bem definida que no caso do porto (ex.: Lousã, Miranda do corvo, cantanhede, condeixa, poiares, penela, penacova, mealhada, soure, etc). Conclusão, deixemo-nos de terceiras cidades e "botemos" pés ao caminho. Aqui sim, concordo com muitos dos comentários anteriores: com esta equipa dirigente caminhamos é para a área metropolitana do porto!